Dália

Dália
Dália - imagem original: Mary St George - Licença Creative Commons

As dálias são plantas cujas inflorescências variam bastante em forma, tamanho e cores. De inflorescências com aproximadamente 5 cm a inflorescências com mais de 30 cm de diâmetro, e cores que excluem apenas o azul, atualmente há dezenas de milhares de cultivares de dálias. Quanto à forma das inflorescências, as dálias são normalmente classificadas em tipos básicos, sendo alguns dos mais comuns os tipos simples, anêmona, cactos, semicactos, colarete, pompom, bola e decorativa.

Quanto as plantas, há desde as que atingem aproximadamente 30 cm a plantas que ultrapassam os 2 m de altura. Pode ser difícil distinguir as espécies de dália, dada a grande variabilidade das plantas e o enorme número de híbridos existentes. Por conta disso, muitas vezes a única informação disponível ao comprar sementes ou mudas é o nome do cultivar, sem haver nenhuma referência a espécie da dália.

As dálias já eram cultivadas pelos povos indígenas do México antes das viagens marítimas europeias à América, pois suas raízes tuberosas eram utilizadas como alimento. O nome dália foi cunhado como uma homenagem ao botânico sueco Anders Dahl, que foi um dos estudantes do botânico e taxonomista Carolus Linnaeus, e que faleceu aos 38 anos em 1789, o mesmo ano em que as primeiras dálias chegaram a Europa.

Dália simples
Dália com capítulo floral do tipo simples - imagem original: F. D. Richards - Licença Creative Commons

Denominação científica:

Espécies e híbridos do gênero Dahlia.

Origem:

México e América central.

Dália waterlily
Dália com capítulo floral do tipo waterlily (nenúfar) - imagem original: Mary St George - Licença Creative Commons

Clima

Podem ser cultivadas em diversos tipos de clima, mas crescem melhor com temperaturas entre 13°C e 25°C. Não suportam baixas temperaturas e geadas.

Iluminação:

Luz solar direta pelo menos por algumas horas diariamente.

Dália colarete
Dália com capítulo floral do tipo colarete - imagem original: F. D. Richards - Licença Creative Commons

Irrigação:

O solo deve permanecer sempre úmido, mas sem ficar encharcado.

Solo:

O ideal é um solo bem drenado, fértil, rico em matéria orgânica e com pH entre 6,5 e 7.

Dália anêmona
Dália com capítulo floral do tipo anêmona - imagem original: F. D. Richards - Licença Creative Commons

Época de floração:

Do final da primavera ao outono, dependendo da região.

Ciclo de cultivo

Plantas perenes, mas são algumas vezes cultivadas como anuais, dependendo do clima da região.

Dália pompom
Dália com capítulo floral do tipo pompom - imagem original: Cillas - Licença Creative Commons

Propagação:

Por sementes: as sementes podem ser semeadas no local definitivo ou em sementeiras, transplantando as mudas com cuidado quando estas têm aproximadamente 8 cm de altura. As sementes devem ser semeadas a no máximo 0,5 cm de profundidade. A germinação das sementes pode demorar de uma até três semanas.

Plantando as raízes tuberosas. Adquirir raízes tuberosas é o ideal para conseguir um cultivar desejado, pois as plantas oriundas de sementes podem ser diferentes das plantas-mãe. Cada raiz tuberosa utilizada no plantio deve conter pelo menos uma gema ou “olho”. As raízes tuberosas devem ser enterradas a uma profundidade de 5 a 15 cm.

Por estaquia, plantando ramos basais cortados rentes ao solo.

Dália bola
Dália com capítulo floral do tipo bola. O tipo bola é praticamente igual ao pompom, mas com um maior tamanho - imagem original: Jean - Licença Creative Commons

Espaçamento recomendado entre plantas

30 cm a 1 m, dependendo do tamanho do cultivar.

Dália cacto ou dália cactus
Dália com capítulo floral do tipo cacto - imagem original: F. D. Richards - Licença Creative Commons